Make your own free website on Tripod.com

Castanheira de Pera


Não tão poucas vezes se confunde com a lenda, perdendo-se na noite dos tempos e na memória dos homens.

É o caso de Castanheira de Pera cujas origens remontam certamente a muitos séculos antes do primeiro documento histórico comprovativo.

Com efeito, embora o primeiro documento conhecido referindo nomes de povoações do Concelho tenha a data de 1135 (Afonso Henriques), existe uma lenda que nos fala da princesa Peralta, filha de el-Rei Arunce, escrita em 1629 por Miguel Leitão de Andrade, nascido em Pedrógão Grande e que foi companheiro de armas de D. Sebastião nas areias fatais de Alcácer – Quibir.

Segundo a lenda, fugida de Conimbriga em consequência de invasão, Peralta acolhera-se com seu séquito na castelo de Arouce (Lousã). Daqui e por influência de Sertório – guerreiro romano que se colocara ao serviço dos lusitanos (e que por ela se apaixonara) é induzida a sair, através da serra em busca de seu pai. Por altura de Pera, morreu a sua aia, Antígona que ali mesmo foi enterrada. Sobre o coval uma pedra tumular que dizia "Antígona de Peralta aqui foi da vida falta". De acordo com a lenda, Vénus, a Deusa, que perseguia a Princesa de quem jurara vingar-se, além de tirar as sardas do rosto que tanta graça lhe dava e tê-las transferido para as trutas da ribeira, resolveu apagar parte dos dizeres tumulares ficando "Antiga de Pera". Refira-se a propósito que há autores que erradamente falam de Antígona Peralta. Ora Antígona era uma personagem (a aia), e Peralta outra (a Princesa).

A lenda é contemporânea da história. Mas se isso não lhe dá maior autenticidade, há alguns factos que ajudam a construir uma teoria.

Um dos pretendentes da Princesa Peralta era, segundo a lenda, Sertório.
Ora como já se referiu atrás, Sertório foi um guerreiro romano revoltando-se contra Roma, passou a chefiar os lusitanos cerca do ano 80 A. C.. De onde que a lenda se situa nesses anos e não no tempo da ocupação árabe como alguns autores declararam, talvez por, no ano 715/716 (séc. VIII) a cidade de Conímbriga ter acatado sem combate a invasão árabe e esta situação ter similitude com a que a lenda descreve.

Aliás, já no século V (anos 465/468), Conímbriga fora devastada pelos suevos, segundo Idácio.

Embora a história não registe qualquer invasão entre os anos 80/70 A. C., período em que decorre entre, a assunção da chefia das hostes lusitanas por Sertório e o seu assassino, não é difícil admitir lutas contra os romanos durante esse período, tanto mais que a cidade era, segundo a lenda, do Rei Arunce, aliado de Sertório.

Na lenda é referida a criação de Certago (Sertã) por Sertório, fixando-se Conimbriga como distante de Certago – menos de vinte léguas – sendo essa aproximadamente a distância entre Condeixa e Sertã.

A propósito de Conímbriga, note-se que a palavra tem origem céltica, sabendo-se que a povoação já existia antes da ocupação romana que se verificou na segunda metade do séc. II por Décimo Júnio Bruto.

Por Conímbriga passava a estrada romana de Lisboa a Braga que é referida no contestado itinerário de Antonino.

O percurso era o seguinte:

· Olissipos - Lisboa
· Ierabriga - Povos ou Alenquer
· Scalabios - Santarém
· Selum - Próximo de Tomar (Asseiceira?)
· Conímbriga - Condeixa
· Aemínio - Coimbra
· Talabriga - Próximo de Cacia
· Langobriga - Vila de Feira
· Calém - Gaia
· Bracara - Braga

Voltando à lenda da Princesa Peralta, nela é referido o castelo de Arouce. Este castelo foi construído pelo Conde D. Sesnando, governador de Coimbra em 1080, mesmo ano em que fundou o de Penela.

Segundo historiadores, Arouce (não confundir com Foz de Arouce) era o centro populacional à volta do castelo e tal era da sua importância que em 1151, Afonso Henriques dá-lhe foral designando-a por Arouzi cuja origem é Céltica.

As raízes da Lousã estão pois, ao que defendem muitos autores, em Arouce, e só muitos séculos mais tarde viria a fixar na várzea onde se encontra, com quanto se admita que os romanos já por ali se tivessem situado.

Já dissemos que na lenda se relata, que da inscrição na pedra tumular de Antígona, velha aia de Peralta, apenas ficou "Antiga de Pera".
Em reforço da veracidade da presença da Princesa, salvo os exageros míticos, por estas paragens, está um achado numismático ocorrido em 1945, no campo da Retorta (hoje heliporto). Para abertura do terreno do jogo haviam-se feito algumas escavações e durante o desafio de inauguração, um atleta Castanheirense – Sertório dos Santos Fonseca – encontrou uma moeda romana.

Pelo estudo efectuado pelo ilustre numismata, Dr. Arnaldo do Brasão e publicado n’O Castanheirense de 23 de 1950 é observado o seguinte:

"Pela descrição e pelo decalque feito a lápis que gentilmente me foi cedido, de facto, trata-se de uma moeda romana certamente um denário, bem conservado porque é fácil identificar a sua época.

Compulsando o belo estudo do Sr. F. Russel Cortez, sobre o valioso tesouro monetário do lugar de Paio (Concelho de Sabrosa) e publicado na excelente revista Numus, Nº 1, pág. 6, e comparando as descrições feitas naquela revista e no Castanheirense, o Anverso da moeda romana representa o rei Sabino Tatius, e o Reverso representa dois guerreiros.

Quando a legenda temos: Sabin, ou Sabinus, e no Reverso L. Tituri, quer dizer Lucius Titurius, da família Tituria e viveu o ano 89 antes de Cristo.

Há umas pequenas divergências que facilmente se explicam. Os dois sabinos, e a cabeça do família Ttituria e viveu o ano antes de Cristo.

Há umas pequenas divergências que facilmente se explicam. Os dois sabinos, e a cabeça do rei Tatius deveria ser nua e barbuda e diante de uma palma.

Não é bem isto que se vê no decalque, mas estas divergências podem atribuir-se à acção destruidora do tempo, a não ser que se trate de novo exemplar não classificado ou identificado."

Os mais antigos de Pera recordam-se com efeito, de ouvir falar aos seus avós da denominada "Pedra da Antiga" que dizem ter sido enterrada na fundação de uma casa. Verdade também é que ao alto de Pera existe um local Antiga e a estrada de Antiga; como um facto é a existência de Pera e do Bolo há muitos anos.

In Cãmara Municipal de Castanheira de Pera


Distrito  de Leiria

Questions or Comments Please E-mail: Webmaster
Copyright © 2000 Albri Software Designer. All rights reserved.